De Tarantino, peixes e temas profundos

Bastardos Inglórios: O Roteiro Original do Filme – Quentin Tarantino
Apesar de uma introdução que, de tão SEM VERGONHA, quase fez minha alma sair correndo, o livro é assaz divertido: além de oferecer algumas diferenças com relação ao roteiro final do filme, a PAPELADA mostra como Tarantino se empolga com as coisas (ele provavelmente escreve com uma mão enquanto corre pela rua com o outro braço erguido em comemoração), jogando adjetivos e referências pouco pertinentes apenas pelo festerê. Uma boa opção pros fãs do diretor confirmarem que ele é o nerd mais descolado do mundo e pros outros continuarem achando ele estranho às ganha.

Shosanna volta ao espelho, coloca um elegante chapéu na cabeça e abaixa o fino véu negro para cobrir seu rosto. Ela pega uma pequena ARMA e a coloca no bolso de seu vestido, e está pronta. Ela sai do apartamento para participar da estréia. De agora em diante, não há mais volta. É até o fim, baby, até a porra do fim!

O Velho e o Mar – Ernest Hemingway
Impressionante como Hemingway consegue, através de uma linguagem simples e direta, abrir uma portinha no coração do leitor e colocar a história lá dentro. É quase impossível segurar o livro com o tanto de carisma e ternura que transbordam do velho Santiago e do menino. E ainda sobra espaço pra narrar uma batalha épica entre homem x natureza, traçando as semelhanças e diferenças entre Santiago e o peixe, envolvendo até a última gota de emoção do leitor até o melancólico desfecho. Juro que, após a leitura, tive vontade de DORMIR ABRAÇADO com o livro.

Falam do mar como de um adversário, de um lugar ou mesmo de um inimigo. Entretanto, o velho pescador pensava sempre no mar no feminino e como se fosse uma coisa que concedesse ou negasse grandes favores; mas se o mar praticasse selvagerias ou crueldades era só porque não podia evitá-lo. “A lua afeta o mar tal como afeta as mulheres”, refletiu o velho.

Os Adeuses – Juan Carlos Onetti
Os Adeuses é um livro difícil. Apesar de curto, tem uma linguagem rebuscada e trata de temas complexos, obrigando o leitor a se confrontar com suas próprias perspectivas sobre tais temas. Basicamente, é como o futebol do clássico camisa 10: lento, cadenciado, pensativo, sempre buscando o que há de mais importante à sua volta e abordando a situação nem sempre pelo ângulo mais óbvio, mas sim pelo mais pertinente. E que, ao final, deixa pra trás aquele rastro de melancolia que todo livro reflexivo consegue provocar.

O homem conversava com vertiginosa constância, acariciando nas curtas pausas o antebraço da mulher, erguendo parágrafos entre eles, acreditando que os montões de palavras modificavam o aspecto da sua cara enfraquecida, que algo de importante podia ser salvo enquanto ela não fizesse as perguntas previsíveis.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s