Euro 2008 – Final

Espanha 1 x 0 Alemanha
Gols:
El Niño Torres, na hora certa’

Um centroavante de verdade nunca é apenas “um centroavante”, e sim “o centroavante”. Pois Fernando Torres, que passou o torneio inteiro com apenas um tento marcado, abraçou-se à mística da camiseta 9 e, no momento mais importante da partida mais importante, no lance crucial, colocou a bola onde todos os espanhóis sonharam por 64 anos. A Espanha venceu, e após todo esse tempo indo ao banheiro fantasiar com o troféu, finalmente faturou o título. E depois dessa o Botafogo passa a ser o favorito para o Brasileirão.

O saldo final foi positivo: grandes equipes, grandes apresentações e partidas memoráveis. A Euro 2008 fez a Copa de 2006 parecer um torneio de botão. Tomara que as coisas mudem e na África, em 2010, o bicho pegue de vez.

Euro 2008

Alemanha 3 x 2 Turquia
Gols: Schweinsteinger, 26’, Klose, 80’, Lahm, 90’ (Alemanha); Boral, 21’, Senturk, 86’ (Turquia)
A Turquia foi com tudo, atacando sem reservas, só que a Alemanha é um time tão pragmático, mas TÃO pragmático, que faz apenas o necessário pra vencer. E é um time tão chato, mas TÃO chato, que repetiu exatamente o placar do último jogo…

Espanha 3 x 0 Rússia
Gols: Xavi, 49’, Guiza, 73’, Silva, 81’
Ao contrário da Holanda, a Espanha foi inteligente e encontrou a Xavi para vencer os Russos. Trocadilhos à parte, com a vantagem no placar foi questão de tempo até Guiza – aproveitando uma assistência cinematográfica e digna de Oscar por parte de Fabregas – ampliar. No finalzinho o volante do Arsenal ainda deixou Silva na cara do gol, me fazendo sair pelas ruas atrás de uma camiseta escrito “Eu (coração) Fabregas”.

Sobre elevadores

1. Sempre considerei elevadores mecanismos sórdidos da civilização moderna que tentam nos convencer que somos mais próximos de nossos semelhantes do que pensávamos (ou gostaríamos). Jamais me convencerão que compartilhar 1m quadrado com outras sete pessoas que tu nunca viu na vida – e que, na maioria das vezes, possuem gostos para desodorantes, músicas no mp3player e toques de celular extremamente questionáveis – é uma coisa a ser encarada de forma natural.

2. Trabalho no décimo andar, o mais alto dos andares do Lindóia Center. Esses tempos mais o elevador chegou, a porta abriu e dentro havia um senhor distinto. Ele disse, educadamente, “Desce”. Pensei em responder, de forma sarcástica, “Ah, então não vou, eu queria mesmo era subir até o vigésimo segundo”, mas resolvi ficar quieto, adotando uma política de boa vizinhança. (Obs: esse senhor distinto também se enquadra na categoria de pessoas do item abaixo)

3. Outro dia desses, eramos um grupo de três ou quatro pessoas aguardando o elevador no mesmo décimo andar. A porta abriu, e o elevador estava lotado – tivemos que esperar pelo próximo. Culpa dessa gentinha que, ao invés de apertar apenas o botão correspondente ao caminho que pretendem realizar (SUBIR ou DESCER), apertam AMBOS, atrasando não só a sua ida, como a de todos os outros usuários. Da próxima vez me faço de louco, digo “É o andar de vocês, podem ir descendo” e tiro todo mundo à força. Vai bancar o esperto pra cima de outro.

Os jovens são o futuro do país

Um dia desses, horário de almoço. Voltando para casa, cruzo com um trio de estudantes, devidamente uniformizadas, recém-saídas do colégio (na faixa dos 13, 14 anos). Tenho a oportunidade fantástica de presenciar um trecho do diálogo sobre cães. Transcrevo na íntegra pra vocês. Deliciem-se.

Estudante 1
… tem pastor alemão, tem pastor… pastor…

Estudante 2
Tem pastor belga também!

Estudante 1
Ah, é verdade. Belga, belga… De onde será que vem, da Bulgária?

Euro 2008

Croácia 1(1) x (3)1 Turquia
Gols: Klasnic, 119’ (Croácia); TEORIA DO CAOS, 121’ (Turquia)
Só mesmo uma tese científica que coloca as expressões “borboleta” e “furacão” na mesma frase pode explicar o que aconteceu nesse jogo. Junto com a Croácia, foram eliminadas também as populações masculinas de ambos os países, no que deve ter sido o maior número de infartos simultâneos da história.

Holanda 1 x 3 Rússia
Gols: Van NisterHEROI, 85’ (Holanda); Pavlyuchenko, 55’, Torbiski, 112’, Arshavin, 115’ (Comunas)
A Holanda não era o time mais badalado à toa: possuía uma equipe fulminante, bem entrosada, técnica, inteligente, veloz, criativa, entre outros adjetivos marcantes. Era o melhor time da Euro. Era pra ser a campeã. Só que esqueceram de avisar os russos disso, então eles simplesmente espremeram a Laranja Mecânica em um suquinho de fácil digestão.

Itália 0 (2) x (4) 0 Espanha
Gols: não dessa vez
A Espanha está nas semifinais. Não apenas isso, como mostrou que tem culhões, passando pela objetiva e irritantemente eficiente Itália. Algo de muito estranho está acontecendo. Vou ficar olhando para o céu, não quero perder a chegada dos OVNIs.

Filmes ao redor da Globo – 1

O material de pesquisa sobre a Globo Filmes é absurdamente escasso, o que me levou a momentos de pânico durante a construção da monografia. Portanto, decidi separar o capítulo que fala sobre a co-produtora e postar aqui aos poucos, aumentando assim a bibliografia online sobre o assunto e, de repente, fazendo chegar até o Cataclisma alguém que pesquise “globo” no Google.

————-

A Rede Globo de Televisão é dona do maior conglomerado de mídia da América Latina. Suas produções televisivas, principalmente as telenovelas, são sucesso entre as mais diversas faixas de audiência, compreendendo um público que está acostumado a enxergar no logotipo da emissora um selo de qualidade

No entanto, apenas no final da década de 90 a emissora resolveu investir no cinema enquanto produtora (a Globo Filmes nada mais é do que um núcleo da original). A empresa comandada por Roberto Marinho aproveitou-se da crescente visibilidade que as produções nacionais estavam alcançando (três filmes brasileiros haviam sido indicados pra o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em um curto espaço de tempo), e das oportunidades abertas pelas leis de renúncia fiscal. Para Anita Simis,

É preciso ter em conta que atualmente há uma tendência de as grandes empresas se estruturarem por processos de dupla integração: vertical e horizontal, procurando reduzir os custos e assegurar os mercados, combinando uma diversificação extra-ramo, porém, intra-setorial. Essa tendência se associa ao momento em que a Globo Filmes surge, isto é, depois que a legislação de incentivos fiscais para o cinema foi consolidada, que o cinema, com sua ajuda, criou para si um espaço significativo e outras instituições, como bancos, se valeram de seus incentivos para criar espaços culturais.

É então que um projeto, que estava sendo desenvolvido desde meados de 1997, começa a atuar regularmente em 1998 como a Globo Filmes, trazendo para o cinema o prestígio de uma empresa que tem em seu rol de funcionários atores, diretores e autores consagrados. Os primeiros lançamentos – ainda no ano de 1998 – foram de filmes infantis como Zoando na TV (1998, JOSÉ ALVARENGA JR.) e Simão, o Fantasma Trapalhão (1998, PAULO ARAGÃO), além de Orfeu (1998, CACÁ DIEGUES), que contava com o músico Toni Garrido no papel principal.

No ano 2000, a empresa resolveu inovar. O núcleo Guel Arraes projetou a produção de duas minisséries que depois seriam reeditadas para serem exibidas no cinema. Dos dois projetos¹, apenas um vingou: O Auto da Compadecida (2000, GUEL ARRAES). Assim como na televisão, o filme obteve um grande apelo entre os mais diversos públicos, tornando-se a maior bilheteria nacional daquele ano e também da retomada, com 2,2 milhões de espectadores². Com o mercado crescendo de forma significativa – chegou a triplicar de 2002 a 2003 –, a Globo encontrou uma grande oportunidade de expansão para a única mídia que ainda não havia alcançado.


1 – O outro produto era Luna Caliente, dirigido por Jorge Furtado, mas que não pode ser exibido nos cinema devido a problemas com direitos autorais.

2 – De acordo com o site Cinética, acessado no dia 7 de novembro de 2007.