Euro 2008 – Final

Espanha 1 x 0 Alemanha
Gols:
El Niño Torres, na hora certa’

Um centroavante de verdade nunca é apenas “um centroavante”, e sim “o centroavante”. Pois Fernando Torres, que passou o torneio inteiro com apenas um tento marcado, abraçou-se à mística da camiseta 9 e, no momento mais importante da partida mais importante, no lance crucial, colocou a bola onde todos os espanhóis sonharam por 64 anos. A Espanha venceu, e após todo esse tempo indo ao banheiro fantasiar com o troféu, finalmente faturou o título. E depois dessa o Botafogo passa a ser o favorito para o Brasileirão.

O saldo final foi positivo: grandes equipes, grandes apresentações e partidas memoráveis. A Euro 2008 fez a Copa de 2006 parecer um torneio de botão. Tomara que as coisas mudem e na África, em 2010, o bicho pegue de vez.

Euro 2008

Alemanha 3 x 2 Turquia
Gols: Schweinsteinger, 26’, Klose, 80’, Lahm, 90’ (Alemanha); Boral, 21’, Senturk, 86’ (Turquia)
A Turquia foi com tudo, atacando sem reservas, só que a Alemanha é um time tão pragmático, mas TÃO pragmático, que faz apenas o necessário pra vencer. E é um time tão chato, mas TÃO chato, que repetiu exatamente o placar do último jogo…

Espanha 3 x 0 Rússia
Gols: Xavi, 49’, Guiza, 73’, Silva, 81’
Ao contrário da Holanda, a Espanha foi inteligente e encontrou a Xavi para vencer os Russos. Trocadilhos à parte, com a vantagem no placar foi questão de tempo até Guiza – aproveitando uma assistência cinematográfica e digna de Oscar por parte de Fabregas – ampliar. No finalzinho o volante do Arsenal ainda deixou Silva na cara do gol, me fazendo sair pelas ruas atrás de uma camiseta escrito “Eu (coração) Fabregas”.

Euro 2008

Croácia 1(1) x (3)1 Turquia
Gols: Klasnic, 119’ (Croácia); TEORIA DO CAOS, 121’ (Turquia)
Só mesmo uma tese científica que coloca as expressões “borboleta” e “furacão” na mesma frase pode explicar o que aconteceu nesse jogo. Junto com a Croácia, foram eliminadas também as populações masculinas de ambos os países, no que deve ter sido o maior número de infartos simultâneos da história.

Holanda 1 x 3 Rússia
Gols: Van NisterHEROI, 85’ (Holanda); Pavlyuchenko, 55’, Torbiski, 112’, Arshavin, 115’ (Comunas)
A Holanda não era o time mais badalado à toa: possuía uma equipe fulminante, bem entrosada, técnica, inteligente, veloz, criativa, entre outros adjetivos marcantes. Era o melhor time da Euro. Era pra ser a campeã. Só que esqueceram de avisar os russos disso, então eles simplesmente espremeram a Laranja Mecânica em um suquinho de fácil digestão.

Itália 0 (2) x (4) 0 Espanha
Gols: não dessa vez
A Espanha está nas semifinais. Não apenas isso, como mostrou que tem culhões, passando pela objetiva e irritantemente eficiente Itália. Algo de muito estranho está acontecendo. Vou ficar olhando para o céu, não quero perder a chegada dos OVNIs.

Euro 2008

Croácia 1 x 0 Polônia
Gols: Klasnic, 53’
Sem conseguir ingressar ainda na União Européia, a Croácia pelo menos carimbou de forma convincente sua passagem para o G-Quartas de Final da Eurocopa.

Alemanha 1 x 0 Áustria
Gols: BALLACK ROCKET LAUNCHER!, 49’
Depois da invasão de atrizes pornô nos treinos, o time alemão foi todo moído pra pelada e ganhou sobrevida na competição graças a um tiro no ângulo desferido por Ballack, que fez a Divisão Panzer dos nazistas parecer um ataque com bexigas d’água.

Itália 2 x 0 França
Gols: Pirlo (pênalti), De Rossi
Nada como um torneio mata-mata após o outro. Itália classificada.

Holanda 2 x 0 Romênia
Gols:
Huntelaar, 53′, Van Persie, 86′
Mudaram as peças, mas o carrossel continou o mesmo; do outro lado, a Romênia foi claramente prejudicada pela tradição da Itália em se classificar no último minuto.

Espanha 2 x 1 Grécia
Gols: De La Red, 60’, 88’, Guiza (Espanha); Charisteas (Grécia)
A Espanha virou o jogo, saindo com a vitória – falta saber se virou um time de homens, também, ou se já fizeram o check in online pra voltar pra casa no domingo. Já a Grécia fez o que se esperava dela: nada.

Rússia 2 x 0 Suécia
Gols: não dá pra pronunciar o nome deles
Interessante esse time da Rússia: abriu caminho em campo com a foice pra depois ESMAGAR os suecos com o martelo. Uma vodka não faria tanto estrago.

Alemanha 3 x 2 Portugal
Gols: Schweinsteiger, 21’, Klose, 26’, Ballack, 61’ (Alemanha); Nuno Gomes, 39’, Helder Postiga, 86’ (Portugal)
A Alemanha venceu com um gol ilegal de Ballack, em um lance onde o goleiro Ricardo saiu displicente como qualquer funcionário público. Portugal até meteu uma pressão e deixou o jogo tão tenso quanto um filme do Shyamalan, mas no final a galera do chucrute engoliu a do bolinho de bacalhau.

Euro 2008

Croácia 2 x 1 Alemanha
Gols: Srna, 24’, Olic, 62’ (Croácia); Podolski, 78’ (Alemanha)
Aparentemente os alemães se afogaram no chope comemorando a primeira vitória, pois nesta partida a blietzkrieg veio por parte da Croácia: a equipe venceu, convenceu e já tem seu ingresso pras quartas-de-final garantido.

Áustria 1 x 1 Polônia
Gols: Roger, 30’ (Brasil, Polônia); Vastic, 93’ (Áustria)
Jogando mais recuada do que o senso de ética dos brasileiros, a Polônia foi premiada com um gol ilegal – porque o atacante estava impedido e porque foi feio -, mas melhorou no segundo tempo e só não marcou mais pois o goleiro Macho, ao contrário do que indica seu nome, catou muita bola. Os austríacos empataram com uma estratégia italiana: pênalti a favor nos descontos.

Itália 1 x 1 Romênia
Gols: Mutu, 54’ (Romênia); Deuses do futebol, através de Panucci, 55’ (Itália)
E continua o planejamento da Itália para se classificar no saldo de gols.

Holanda 4 x 1 França
Gols: Kuyt, 9′, Van Persie, 58′, Robben, 71′, Sneijder, 91′ (Holanda); Henry, 70′ (França)
A Holanda simplesmente SOCOU a França pra dentro do gol. Foi quase pornográfico. Ajoelhei-me e chorei copiosamente em reconhecimento ao futebol MAGISTRAL apresentado pela versão atualizada da Laranja Mecânica.

Espanha 2 x 1 Suécia
Gols: El Niño Torres, 15’, Villa. 92’ (Espanha); Ibracadabra, 34’ (Suécia)
Jogo parelho. Villa aproveitou um momento de desatenção, onde os jogadores suecos estavam admirando suas torcedoras, e disparou na artilharia da competição. Linda demais essa camiseta da Espanha.

Rússia 1 x 0 Grécia
Gols: Zyryanov, 32’
Cadê o futebol “de resultado” (leia-se “de sorte”) da Grécia? Melhor momento do jogo foi quando Stelios entrou para reforçar a equipe grega – juro que ouvi ele gritando “THIS IS SPARTA!” ao pisar no campo.

Suíça 2 x 0 Portugal
Gols: Yakin, 70’, 81’
Retribuindo a gentileza da Suíça que, como boa anfitriã, deixou os convidados passarem para a fase final, Portugal entrou com o time misto, a cabeça nas nuvens e o futebol no banco de reservas. Vitória merecida, e bela homenagem dos jogadores ao técnico no final.

República Tcheca 2 x 3 Turquia
Gols: Koller, 33’, Plasil, 61’ (Rep. Tcheca); Turan, 74’, Nihat, 86’, 88’ (Turquia)
Provavelmente a melhor partida da Euro, e não foi transmitida. Bando de turco fiadaputa…

Euro 2008

França 0 x 0 Romênia
Gols: todos no outro jogo do grupo.
O futebol apresentado pela França foi cinematográfico, mas da escola francesa de cinema: chato, pretensioso e sem chegar a lugar nenhum. Já a Romênia mostrou que pode sobreviver ao “grupo da morte”.

Holanda 3 x 0 Itália
Gols: Van Nistelrooy, 26’, Sjneider, 31’, Van Bronckhorst, 79’
A Itália começou mal. Muito mal. Não podia ter começado pior, acho. Então, dado o histórico da equipe, torna-se favorita ao título.

Espanha 4 x 1 Rússia
Gols: Villa, 20’, 44’, 75’, Xico Fabregas, 91’ (Espanha); Pavlyuchenko, 86’ (Rússia)
Absolutamente fulminante essa equipe espanhola, o suficiente para fazer jus ao apelido de “Fúria”, mas da Espanha sempre se pode esperar uma botafogueada grande. Os Russos aparentemente pararam de comer criancinhas e começaram a comer a bola, jogando com rapidez, entrosamento e técnica. Faltou para eles sorte e ter um Villa no ataque.

Suécia 2 x 0 Grécia
Gols: Ibracadabra, 67’, Hansson, 72’
O gol de Ibrahimovic foi uma pintura, digno de ser exposto no Louvre. Cinco minutos mais tarde Hansson fechou o placar, em um gol tipicamente Winning Eleven e fazendo a Grécia dançar ao som de Mmbop. Bem feito, timezinho escroto esse dos gregos…

Portugal 3 x 1 República Tcheca
Gols: Deco, 8’, Cristiano Ronaldo, 18’, Quaresma, 91’ (Portugal); Sionko, 17’ (República Tcheca)
O jogo até foi equilibrado, a Tcheca tava mais confortável em campo, Portugal tinha dificuldades, mas no segundo tempo uma boa jogada do brasileiro português Deco deixou Ronaldo em condições de finalizar. Com a entrada do EDIFICIO Koller os tchecos partiram alucinadamente para o ataque, mas em um lance bizarro tomaram o terceiro gol.

Suíça 1 x 2 Turquia
Gols: Yakin, 31’ (Suíça); Senturk, 56’, Turan, 92’ (Turquia)
A Turquia foi melhor no futebol. A Suíça foi melhor no pólo aquático. Um empate até seria justo, mas com a BOMBA que o terrorista turco soltou nos acréscimos a anfitriã foi pro saco e Felipão já pode comemorar a vaga nas quartas.

Euro 2008

Suíça 0 x 1 República Tcheca
Gols: Sverkos, 71’
De um lado o ferrolho suíço, uma defesa sólida e bem posicionada. Do outro, Petr Cech. Ambos se equivalem, mas o piá Sverkos aproveitou que a defesa da equipe adversária estava neutralizada e marcou. Os suíços até distribuíram um chocolate no final, mas não conseguiram dar no meio da Tcheca.

Portugal 2 x 0 Turquia
Gols: Pepe, 61’, e Raul Meirelles, 93’
Após imitarem seus irmãos lusitanos do Vasco e ficarem com o vice em 2004, os portugueses começaram bem, com um gol de Pepe – que mostrou ser um zagueiro que sabe marcar – e outro de um cara lá após um contra-ataque alucinante. Já os turcos não mostraram muita coisa, exceto o desfile dos melhores nomes que um narrador pode pronunciar – não há como não simpatizar com um time cujo meia se chama Kazim Kazim.

Áustria 0 x 1 Croácia
Gols: Modric, 4’ (Pênalti)
Embora sem seu famoso uniforme “toalha de mesa”, a Croácia entrou com fome de bola, achando que a fraca Áustria seria um prato cheio – entretanto, após marcar o gol, a equipe dos bálcãs resolveu tirar uma sesta, deixando os austríacos tomarem gosto pelo jogo. Mas ficou nisso, e ninguém pode reclamar da arbitragem, pois o pênalti existiu sim: a Áustria não foi garfada.

Alemanha 2 x 0 Polônia
Gols: Podolski, 20’ e 72’
Em um jogo truncado, o ataque fez a diferença: por duas vezes (uma sem querer) o polonês Klose deixou o também polonês Podolski em condições definitivas de marcar, deixando sua equipe em vantagem na estréia. Infelizmente para a Polônia a globalização tomou conta do mundo, e os dois poloneses citados acima jogam na seleção alemã.