Gafe do Terra é de outro planeta


“GAZA: Com reforços, São Paulo faz primeiro treino”
Capa do Terra em 12/01/2009

E não é porque a gafe aconteceu há duas semanas atrás que o Cataclisma 14 vai deixar de fazer algumas considerações a seu respeito:

– Pré-temporada do São Paulo prioriza preparação para o mata-mata.

– O São Paulo está realmente se armando para 2009;

– Muricy dá o recado: “Queremos chegar preparados para as Eliminatórias”

– BOMBA: São Paulo contrata Washington;

– Washington (dir) irá reforçar o ataque aéreo… na invasão ao território palestino?!

– A temporada de futebol no Brasil promete ser uma guerra;

– Amistoso em Gaza terá estrelas do Al-Ittihad, Hamás, Al-Qaeda e Al-Jazeera.

– Muricy afirma que, este ano, a equipe vai estar com todo o gás;

– Em sacada de marketing, SPFC faz pré-temporada unindo trabalhos físicos, táticos e… humanitários.

– A força das minorias: bambis se juntam a judeus em invasão na Palestina.

– Richarlyson não jogará: promessa de 40 virgens pode ser o motivo;

– Rogério Ceni não vestirá mais a faixa de capitão, e sim a faixa de Gaza;

– Elenco palestino está mais acostumado a dar o sangue em jogo que o clube paulista;

– Camarote especial terá presenças ilustres dos ídolos Maomé, Moisés e Telê Santana.

– Confederação altera local do jogo em cima da hora porque o time da casa não tem casa.

Anúncios

Me joga na parede e me chama de Diego

A acusação de estupro contra Robinho – que deve ter deixado seu companheiro Diego ENCIUMADO na Alemanha, uma vez que que Little Robbin anda abaixando as calças de estranhos – nada mais é do que outro declínio em uma carreira repleta de CHOCARRICES. Estamos falando do menino (nada) prodígio que fez beiço e ficou emburrado porque o Santos não queria liberá-lo para o Real por um valor modesto; do MULEQUE que desembarcou na Espanha e, uma vez que a equipe madrilena não o tornou o melhor do mundo através de um PASSE DE MÁGICA, armou um TRAMÓIA com Felipão Big Phil para se transferir até o Chel$ea.

Entretanto, o destino estava sem gargalhar há bastante tempo e resolveu a situação jogando Robinho no PROJETOS DE MANCHESTER, empresa time onde o pirralho coleciona mais confusões do que gols. Confusão na transferência, confusão na viagem ao Brasil, confusão porque não tá rendendo… Mas na real, o que mais o desqualifica como jogador, atleta e ser humano é o fato de ser dono da pior forma de comemorar gols da história:

Robinho queria ir pro Chel$ea, mas acabou chupando o dedo

Daí quando a gente se lembra que esse é o “jogador-símbolo” da era Dunga e da atual seleção, fica fácil entender porque a bola da equipe canarinho está quadrada, murcha, furada e com hérnia. É provável que Kaká – ironicamente o jogador com mais culhões daquele time – assuma esse papel a partir de agora. Mas, enquanto isso, temos a ilustração perfeita de que o “futebol-muleque” não é nada além de irresponsável, impotente e idiota.

(Só uma coisa: se Robinho for considerado culpado e for preso, alguém peça pra levarem o GILBERTO SILVA junto, por favor. Tudo indica que só assim pro Dunga parar de convocar o cara.)

Post para atrair leitores

No BBB9, BARACK OBAMA e os PEITOS DA PAMELA ANDERSON apostaram que KAKÁ não vai para o MANCHESTER CITY, pois a CRISE FINANCEIRA MUNDIAL e o AQUECIMENTO GLOBAL estão colocando o planeta no PAREDÃO. Com a convocação de RONALDINHO GAÚCHO para o OSCAR 2009, as LÉSBICAS preferem ficar assistindo o OVNI QUE APARECEU NA POSSE DE OBAMA.

Enquanto a GLOBO MENTE e a LUANA PIOVANI ARRANJA CONFUSÃO, o RONALDO DO CORINTHIANS fica reclamando de BARRIGA CHEIA.

Curtas

Ghost World -Aprendendo a Viver – 3/5
Um filme tipicamente indie, com aquelas pessoas sempre de cara emburrada, postura relaxada e que são estranhas apenas por serem estranhas, sem que isso contribua muito para a trama. Mas com um comentário social aqui, outra acolá, uma piada inspirada, consegue ser uma diversão quase relevante.

Jogos do Poder – 4/5
Mais do que as bombas inteligentes, as armas com mira telescópica e as atitudes de Charlie Wilson, as coisas mais certeiras e explosivas do filme são os diálogos afiados.

À Procura da Felicidade – 3/5
Esse filme é como a seleção italiana: todo mundo conhece, sabe como joga, sabe o que vai acontecer, mas ainda assim ele, de certa forma, funciona. E Will Smith já tá pedindo passagem no time de grandes atores faz um tempo.

Bonequinha de Luxo – 4/5
O começo é meio frenético demais, muita coisa acontecendo, um clima quase pastelão em algumas pasasgens. Mas logo a história engata de uma forma absurdamente carismática, alternando ótimos diálogos (“eu nunca tomei champagne antes do café da manhã. Durante, várias vezes. Mas antes nunca”) com excelentes atuações e grandes personagens.

Os Trapaceiros – 3/5
As boas piadas acabam soterradas por um falatório que, ao contrário do que acontece em outros filmes do Woody Allen, acaba tornando a película monótona. Na real, a partir da metade é que a produção meio que desanda, se arrastando em torno das mesmas situações. Mas a cena da água já vale o filme.

Um Jogo de Vida ou Morte – 1/5
Por incrível que pareça, a melhor e mais inteligente coisa desse filme é o batido título com que foi distribuído aqui no Brasil. E eu simplesmente não consigo levar a sério qualquer filme que tenha o Jude Law.

Nixon
Cobrindo quae 70 anos da vida do ex-presidente, o roteiro de Oliver Stone vai e vem no tempo tal qual a Luma de Oliveira na Playboy. No entanto, apesar da confusão inicial e de não ilustrar de forma clara o Watergate e nem mesmo se aprofundar muito na personalidade de Nixon (algo que ficou faltando em Alexandre, do mesmo diretor), não tem como o cara não admirar um filme sobre política que possui diálogos do tipo “aceite a derrota: eles roubaram de forma justa e limpa”.

Get your ears off

É engraçado como as coisas são engraçadas: passei um tempão com água na boca, esperando pelo novo disco do U2, ansioso, cuidando todas as novidades, lista de músicas, capa do álbum, etc.

Hoje, ao descobrir que o novo single, Get Your Boots On, estava passeando pela www, virei a internet do avesso só pra finalmente ouvir a música nova. E, curioso, assim que terminou a canção, a primeira coisa que veio na minha cabeça é que eu preferia não ter ouvido.

De volta para o futuro

O Curioso Caso de Benjamin Button (The Curious Case of Benjamin Button)
5/5

Direção: David Fincher
Roteiro: Erick Roth e Robin Swicord, levemente baseado em obra de F. Scott Fitzgerald

Elenco:
Brad Pitt (Benjamin Button)
Cate Blanchett (Daisy)

Benjamin Button é um cara que nasceu velho, e não falo de espírito. Ao longo da película, acompanhamos a vida do sujeito, sua trajetória de rejuvenescimento e as relações dele com as pessoas à sua volta.

Claro, a sinopse é fascinante, mas muitos filmes já acabaram beijando o chão apesar de seu argumento (ou por causa dele, não sei) – O Pagamento é um bom exemplo. No entanto, o diretor David Fincher matou a bola no peito com categoria e mostrou o que sabe: fez uma história cativante e contada de forma espetacular. Ao invés de apostar no lado bizarro da situação (o mais evidente, convenhamos), apostou em um conto sobre mortalidade e a duração das coisas.

A primeira metade do filme é mais calma, pacata, acompanhando o “desenvolvimento” de Benjamim. É quando nos acostumamos à situação estranha, aceitando aquela personagem e nos identificando com ela. Vivendo em uma espécie de asilo, o protagonista logo começa a perder pessoas com quem se importa. E descobre que as coisas na vida são passageiras.

Conforme Benjamim “cresce” e viaja pelo mundo, vamos percebendo que o fato de ser jovem no final da vida não faz diferença: ele ainda enfrenta medos, perdas, decepções, tristezas. Mesmo encarando a vida ao contrário, o sujeito tem que lidar com sua própria mortalidade e como isso afeta as outras pessoas. Em certo momento, ele mesmo diz para Daisy “estava pensando em como as coisas nunca duram… e como isso é uma pena”.

O diretor narra a história de forma elegante, com enquadramentos e movimentos de câmera que criam uma atmosfera quase poética. O ritmo mais lento é contemplativo, analisando a situação e preparando o espectador para o resto do filme, onde precisamos aceitar os acontecimentos com Benjamim como algo natural. Além de grande diretor de atores (embora Cate Blanchett fique aquém de seu colega), Fincher mostra a que veio em duas sequências espetaculares: a do ataque ao barco e a da rota de colisão. É inevitável citar também o trabalho de maquiagem, digno não apenas de um Oscar, mas também de um prêmio NOBEL, e a a fotografia, que realça levemente a atmosfera surreal através de belas paisagens e uma iluminação por vezes levemente estourada, por vezes fazendo bom uso das sombras.

Se há algo que incomoda na película, é a constante alternância entre a história (contada em flashback) e o momento presente, que quebra um pouco o ritmo. Nada que atrapalhe muito, entretanto. O Curioso Caso de Benjamin Button mantém, em sua essência, uma reflexão sobre a nossa tendência a não nos desapegar das pessoas. Todos vamos nos separar um dia, e é a partir dessa inevitável situação que o filme é conduzido. Um tanto melancólico, um tanto surreal, um tanto fantasioso. Mas indiscutivelmente bonito.

O maior campeão do Brasil é o Palmeiras!

1.A fórmula dos pontos corridos continua sendo uma droga!

2.A Copa do Brasil vale tanto quanto o Brasileirão, pois leva ao mesmo lugar, à Libertadores. Se leva ao memso lugar, vale tanto quanto. Isso quer dizer que o Grêmio tem 6 campeonatos nacionais, o mesmo que Cruzeiro, o Corinthians e… o São Paulo, desde o ano passado. E não falo pra achar que o Grêmio é melhor que alguém não. Quem tem mais títulos nacionais são Santos, Flamengo e Palmeiras, que tem 7, 7 e 8 títulos respectivamente. Sim, o Santos é pentacampeao da Taça Brasil (61 a 65) e bicampeão do brasileirão e o Palmeiras é bicampeão da Taça Brasil (60 e 67), Campeão do Robertão 1969 (o único brasileiro entre 69 e 70), tetracampeao do brasileirão e campeão da Copa do Brasil 98.

Na verdade, dizer que esses títulos não valem nada, é o mesmo que não aceitar os mundiais antes da Fifa meter a mão só porque não eram oficializados por ela. Balela!

Desde o surgimento da Libertadores, houve Taça Brasil, que durou até 1968.

E tá dito!
Sem ressentimentos..

Brincando de jornalismo

AVIÃO CAI EM NEW YORK COM 150 PASSAGEIROS

PÂNICO! CAOS! HORROR! Assim como no 11 DE SETEMBRO, um avião, daqueles GRANDES e que MACHUCAM PESSOAS QUANDO CAEM, fez um rasante sobre Manhattan hoje às 15h, atingindo o rio Hudson no final de seu destino. A FUMAÇA, o FOGO e o BARULHO assutaram os habitantes, que na hora lembraram do 11 DE SETEMBRO. A cidade parou por um momento, recordando os horrores do 11 DE SETEMBRO, enquanto o piloto usava todas as suas forças para salvar o maior número de vidas. O pouso forçado na água causou TRANSTORNO e MEDO. O 11 DE SETEMBRO ainda ecoava na cabeça dos nova-iorquinos. Veja aqui o vídeo do primeiro AVIAO a CAIR em New York após o 11 DE SETEMBRO, quando duas aeronaves COLIDIRAM com os prédios do World Trade Center, MATANDO MILHARES. Mas, ao contrário do 11 DE SETEMBRO, hoje os transeuntes da cidade respiraram aliviados: o piloto conseguiu pousar a aeronave no rio, sem que nenhum prédio desabasse, como ocorreu no 11 DE SETEMBRO. Mais uma vez, veja aqui o vídeo. Baixe aqui o wallpaper e o ringtone para celular. Assista hoje de noite a cobertura completa da primeira queda de avião após o 11 DE SETEMBRO. Compre à vista sua edição do tenso livro “Choque na Água”, escrito por Dan Brown, e ganhe um ingresso para o filme de mesmo nome dirigido por Michael Bay.
(todos os passageiros estão bem, a propósito, e saíram apenas com ferimentos leves)